The Double (2013)

The Double_1

Nada melhor que um filme para questionar nossa existência, nosso significado, nossas contradições internas. Quem sou eu? Quem é você? Quem somos nós? Dessa vez eu escolhi falar de um filme indicado por um grande amigo meu, filósofo louco existencialista, só poderia esperar algo completamente pirado, né? Este é O Duplo (The Double), filme inspirado no livro de Fyodor Dostoievisky, escrito em 1846 com mesmo nome. Aparentemente foi o segundo livro escrito por Dostoievisky e a história é bem maluca. Imagina que um dia você se depara com um sósia seu, uma pessoa idêntica a você fisicamente mas que é o seu oposto em termos de personalidade. Todas aquelas suas fraquezas, tudo que você mais odeia em você, suas inseguranças, não existem nessa pessoa, essa pessoa é forte e confiante. Que choque, não ? Esta é a história de “O Duplo”.

Este filme é dirigido por Richard Ayoade, nunca havia visto nenhum filme dele e analisando apenas este filme, para mim ele está de parabéns. Não sei se vou falar besteira mas eu sinto uma vibração misturada de Darren Aronofsky com Tim Burton neste diretor, dois diretores que são sombrios de maneiras diferentes e tenho a impressão que Richard Ayoade se influenciou nos filmes deles de alguma  forma. Se eu fosse chutar um diretor para este filme, diria que tinha sido feito por Aronofsky já que acho ele muito mais intenso e “dark” que o Tim Burton. O que vejo do Tim Burton neste filme está mais relacionado com os personagens, os cenários, objetos e cores usados. Bom, eu amo os filmes dos dois, então imaginem um diretor que conseguiu juntar qualidades de dois diretores que eu amo? Estou de olho neste cara, vou procurar outro filme dele e depois comento com vocês se ele é realmente bom ou se ele acertou apenas neste filme.

The Double_4

Sobre os cenários e as cores: BRAVO! A impressão que eu tive enquanto estava vendo o filme era a de que cada cena era cuidadosamente montada de forma a parecer uma fotografia. Parece que as vezes a cena demora para mudar, para o personagem falar algo, ou se mover, e não fica nem um pouco cansativo porque é neste momento que você tem a oportunidade de olhar cada detalhe do cenário, aproveitem essas oportunidades, pois os objetos que compõem o cenário são lindos, fora que parece que os atores estão posando para uma foto. Prestem atenção na lanterna e na mesinha do quarto dele, os espelhos, a torneira do banheiro, dá para ver o cuidado que tiveram para escolher cada item e montar o cenário. O filme todo é feito em tons de marrom, ocre, bege, cinza, creme, tudo parece sem vida. A luz nunca é branca, é sempre em um tom amarelado, dourado, o que para mim é muito interessante por que normalmente os filmes mais darks tem os tons mais acinzentados com luz branca e fria, e neste caso a luz é quente, acolhedora (e um pouco sinistra, rs), e isto é interessante de se pensar já que as relações dos personagens são frias. Todos o tratam com tanta frieza que ele passa desapercebido muitas vezes, como se não existisse.

Simon James é invisível. Ninguém parece que o nota, nem a sua própria mãe consegue enxergá-lo em um comercial que ele fez para a empresa em que trabalha. Falando nisso, o local em que ele trabalha foi feito de forma a ser uma exacerbação do pior lado de uma empresa.  Além ser um lugar sujo, mal cuidado, caindo aos pedaços, é o típico escritório sem iluminação, onde cada um trabalha no seu minúsculo quadradinho, sem ver os outros, sem se relacionar com ninguém. Sem contar a parte do descaso pelos funcionários, e Simon James é definitivamente a personificação do funcionário desprezado pelo chefe e pelos colegas de trabalho. Há um momento em que ele diz para seu chefe que terminou o relatório e que até fez mais do que lhe foi pedido e o chefe vira e fala “você começou aqui esses dias, né?”, ao passo que ele responde: “já faz sete anos”.

The Double_2

Sabe quando ocorre uma situação e você reage de um jeito e depois fica pensando que poderia ter feto diferente? E se você visse um outro você fazendo exatamente aquilo que você deveria ter feito naquele momento? Isso começa a acontecer quando Simon James conhece “James Simon”, o novo funcionário. Este é um filme que mostra muito o lado contraditório da vida, das coisas, do ser. Todos nós temos uma dualidade, todos nós temos contradições e temos que viver com essas brigas internas. Muitas vezes o nosso outro lado nos sabota, nos humilha, nos prega peças e é super cruel, crítico e sarcástico conosco.

Gente, esse filme é uma loucura. Eu não estou nem conseguindo formular direito o que quero falar sobre a parte da crise existencial do filme de tão complexo que é. Deixa eu tentar partir do seguinte ponto, de que nós somente existimos e nos identificamos como a pessoa que somos a partir do momento em que nos relacionamos com as outras pessoas. Sem outra pessoa para identificarmos tanto aquilo que achamos positivo quanto aquilo que achamos negativo e através deste espelho criar nossa própria identidade, não seríamos nada. Imaginem um mundo sem nada, sem ninguém, com apenas você. Qual seria a diferença entre você e o nada? Nenhuma. Há um momento no filme em que um dos personagens fala algo como “…às vezes ele só queria ser notado, uma pessoa pode ficar muito doente se não se conectar com algo, com alguém”, ou melhor essa pessoa deixa de existir. Um anime muito interessante que fala sobre isso de maneira muito viajada (do jeito que eu gosto) é Neon Genesis Evangelion. Vale muito a pena assistir, vou fazer uma maratona para comentar sobre ele logo mais.

The Double_3

Quais são as lutas que travamos todos os dias para comprovar a nossa existência? Para comprovar os motivos pelos quais estamos aqui, para entender por que existimos. Outra coisa… nós só existimos a partir do momento que somos úteis para o sistema? Quem define o que é ser útil ou não? E se na verdade, por entrar no sistema, estivermos fazendo um desserviço à sociedade. O que realmente importa? E como dar mais significado à nossa efêmera existência nesse mundo. Deu pra viajar um pouco ? rsrsrs Na verdade dá para viajar muito mais com esse filme, isso foram coisas que passaram na minha cabeça devido às experiências e relacionamentos que eu tenho, mas cada um percebe a existência de uma forma diferente.

Tem muitas outras coisas interessantes nesse filme mas não dá para falar tudo senão vai virar uma tese de conclusão de curso isso daqui. Queria completar com um destaque para a trilha sonora, além da edição de som ser fantástica, a trilha sonora é muito interessante, muitas músicas japonesas, e essa estranheza no soundtrack me lembrou um pouco o Tarantino. Não só a estranheza mas parece que a música está em harmonia perfeita com a cena apesar de serem momentos tão esquisitos para este tipo de música. Entende? É meio louco mesmo.. é o tipo de filme que eu amo.

 Tem que Assistir!!!

Filme: The Double (O Duplo)
Ano: 2013
Diretor: Richard Ayoade
Elenco: Jesse Eisenberg, Mia Wasikowska, Wallace Shawn
IMDB: 6,5
Metascore: 68

 Heraldo, valeu pela dica!! 🙂

Algumas curiosidades:

  • Quase fizeram um filme baseado no livro do Dostoievisky em 1996 com o mesmo nome. Adivinha quem seria o diretor? Roman Polanski. Dá pra ter uma ideia como a história é macabra, não ? No final acabou não dando certo e o projeto foi deixado de lado.
  • O arranjo de piano que toca durante o filme é de uma música chamada “Der Doppelganger” de Franz Schubert e a letra da música conta a história de um homem e seu gêmeo maligno.
  • A primeira frase dita pelo personagem de Yasmin Paige é “Idiota”, título de outro livro de Dostoiesvisky.

Fonte: IMDB Trivia

Anúncios

Sobre Bea
Beatriz Marques Fabri, 26 anos. Louca por filmes e TV Resolvi que deveria começar a escrever um blog para trocar idéias com as pessoas sobre filmes e seriados interessantes, dar algumas dicas e conversar sobre isso que é definitivamente o assunto que eu mais amo na vida !!! https://temqueassistir.com/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

asmallwardrobe.wordpress.com/

Minimalism of the wardrobe, home and mind.

Hello, Professional Girl!

Personal and Professional Development for Millennials

The Lily Cafe

Where a bookish mom in SoCal writes

Inspiration: IRIS

motherhood, minimalism, music, movies and iris

Blog Dipano

Conheça um mundo melhor!

Melo e Mulkey

Melo e Mulkey

Achados & Escritos

The place where eagles dare

Stewartry

Book reviews and general nonsense

Séries Em Foco | Opinião é Tudo

Dicas, dicas e mais dicas! Cinema, TV e Cultura!

asaventurasdeulisses

O lugar onde Demódoco canta, dança e sapateia

RYOT GOMBA

Dicas, dicas e mais dicas! Cinema, TV e Cultura!

RYOT

Dicas, dicas e mais dicas! Cinema, TV e Cultura!

The Geek Anthropologist

An anthropological approach to all things geek

Crítica (non)sense da 7Arte

Blog com críticas de cinema

Clube de Cinema

Dicas, dicas e mais dicas! Cinema, TV e Cultura!

* Blog Elaine Gaspareto *

Dicas, dicas e mais dicas! Cinema, TV e Cultura!

%d blogueiros gostam disto: